doenças respiratórias em crianças

O friozinho já tem dado as caras em diversos estados do Brasil e com ele as doenças respiratórias em crianças começam a surgir!

É gripe, resfriado, rinite, bronquite, entre outras. Muitos pais se vêem em desespero e acabam pensando: “meu Deus, meu filho está sempre doente!”.

Saiba que é normal que as doenças respiratórias em crianças apareçam no inverno, não é exclusividade do seu filho. No post de hoje vou te contar o porquê e dar algumas diquinhas que podem ajudar na imunidade do pequeno, como por exemplo, de alimentação.

Por quê as doenças respiratórias em crianças são mais recorrentes?

gripe e resfriado

Isso acontece porquê até os dois anos de idade a criança ainda está se adaptando a diversos vírus e bactérias que o corpo de um adulto já se adaptou durante toda a vida.

Por isso, é normal que as crianças de 0 a 2 anos se adoeçam muito mais, tendo cerca de 8 a 10 casos de doenças respiratória virais por ano.

Esse motivo que torna os sintomas muito mais fortes nesses anos e os casos chegam a subir 40% no inverno.

Além disso, no frio vivemos em ambientes fechados, tanto na escolinha quanto dentro de casa, que aumenta o contato com vírus pelo ar.

Esse fator também conta para a maior proliferação de fungos dentro do ambiente, principalmente em regiões úmidas.

As mudanças bruscas de temperatura na época de transição outono-inverno são relevantes para as doenças respiratórias em crianças.

Assim como usar aqueles cobertores e casacos guardados, podem provocar alergias. Procure higieniza-los em todo o começo de inverno.

Dicas de prevenção

doenças respiratórias em crianças

A maioria delas são básicas para previnir qualquer outra doença, em qualquer época do ano.

  1. Amamentação: o leite materno é o melhor fornecedor de nutrientes para um bebê, por isso a OMS (Organização Mundial de Saúde) indica que a amamentação é essencial até pelo menos os 6 meses de idade.
  2. Vacinação: qualquer doença que possa ser previnida ou tenha sintomas reduzidos através da vacina deve ser tomada. A ciência trabalha duro em cima dela para que tenhamos melhor qualidade na saúde. Vacine o seu filho sem esquecer da dose de reforço! A vacina para gripe pode ser dada a partir do 6 mês de vida.
  3. Hidratação: tomar água é essencial, principalmente no inverno onde o ar fica mais seco. A água vai ajudar os fluídos corporais a ficarem menos espessos aumentando a capacidade de proteção. Além disso, ela possuí cálcio e magnésio, que ajudam a fortalecer a imunidade.
  4. Sono de qualidade: quando a criança tem uma boa noite de sono, ela estará fortalecendo seu sistema imunológico também! Uma má noite de sono libera o hormônio cortisol, o hormônio do estressa, que diminuí essa imunidade.
  5. Higienização das mãos: as crianças vivem com a mão na boca, não monitoram a mão nos olhos e no nariz. Ensinar que sempre devem lavar as mãos ou até mesmo fazer o uso do álcool em gel é muito importante. E quando leva-las ao médico, não deixe que fiquem tocando em superfícies, elas podem estar contaminadas.
  6. Tabagismo: Evite fumar perto das crianças e mantê-las próximas de alta combustão como lareira e fogão a lenha.

Outras dicas que podem ajudar é manter o narizinho do pequeno hidratado com soro fisiológico, evitando que mucos secos fiquem presos em suas vias respiratórias – esses que podem possuir vírus e bactérias.

Mantenha o tratamento controlado de doenças respiratórias recorrentes, como rinite e asma.

Evite que seu filho vá a escola ou creche quando tiver algum sintoma de gripe ou resfriado, principalmente nos 2 ou 3 primeiros dias.

Gripe ou resfriado? Quando devo procurar um médico?

médico gripe ou resfriado

As doenças respiratórias em crianças normalmente são resfriados. O resfriado é marcado por tosse, coriza e febre moderada com duração de 2 a 3 dias, a febre apresenta diminuição com auxílio dos remédios receitados.

Já a gripe, apresenta febre aguda. Pode causar dificuldade de respirar e se alimentar.

Reações alérgicas podem permanecer cerca de 10 dias.

O alerta para que você leve ao médico imediatamente é o sintoma de febre em bebês de 3 meses.

A febre é um sintoma da doença que serve como grande indicador, ela serve para ajudar o corpo a combater o vírus:

  • A temperatura de uma criança resfriada é de até 38 graus;
  • 37,8 graus com dor de cabeça, dor na nuca e enjoo é sinal de alerta;
  • A febre alta que não reage a medicamentos dentro de 2 dias é sinal vermelho e que você deve consultar o pediatra imediatamente.

Lembrando que caso você ainda sim se sinta inseguro independente do que mencionamos a cima, procure um médico!

Algumas gripes comuns podem se agravar de virais a bacterianas, com doenças como faringite, laringite, infecção na garganta.

Mito ou verdade?

Andar de pé descalço, não se agasalhar ou se molhar pode aumentar as chances de contrair o vírus da gripe e resfriado? O pediatra Cláudio Pacheco, do alojamento conjunto dos recém-nascidos do Hospital Divina Providência responde:

Andar de pé descalço, não se agasalhar ou tomar um banho de chuva não atrai o vírus da gripe ou do resfriado. O que acontece é que o organismo de algumas crianças é mais suscetível a alergias respiratórias, elas têm habilidades imunológicas mais frágeis. É uma tendência do organismo daquela criança. Quando ela passa muitos dias com secreção, é porque o resfriado desencadeou um processo que podemos enquadrar como bronquite. Essa sensibilidade as faz produzir bastante muco. Logo, essa defesa exagerada do organismo atrapalha a imunidade porque os germes que deveriam ser facilmente eliminados ficam grudados nesse muco. Crianças que tem quadros frequentes de otite, por exemplo, provavelmente produzem muito mais secreção que outras. Diferentemente do pulmão, o ouvido não consegue expectorar, por isso, se torna uma área favorável ao desenvolvimento de bactérias e vírus.

Alimentos que ajudam a fortalecer o sistema imunológico do seu filho:

alimentos para o sistema imunológico
  1. Vegetais verde escuro: possuem ácido fólico e vitamina B9, que vão ajudar na formação e fortalecimento dos glóbulos brancos. São eles a couve, brócolis, rúcula, agrião, etc.
  2. Frutas cítricas: são ricas em vitamina C, que tem ação antioxidante. São elas o morango, abacaxi, maracujá, laranja, acerola, kiwi, limão…
  3. Alho e cebola: ricos em antiinflamatórios naturais através da rutina e quercitina.
  4. Sementes: tanto oleógenas quanto feijão, lentilha, grão de bico e outros, são ricos em silênio, zinco, vitamina E, ácido graxo e alguns em ferro. Eles vão ajudar a fortalecer o sistema imunológico.
  5. Ômega 3: são antiinflamatórios naturais presentes em alguns grãos, azeite de oliva e peixe.
  6. Probióticos: auxiliam na absorção de vitaminas e na imunidade.
  7. Raízes: o inhame e o gengibre fortalecem as defesas do organismo e ajudam a eliminar toxinas.
  8. Cogumelos: ricos em proteína, zinco e B12 tem ação antimicrobiana, antiinflamatória e oxidante.

Tudo isso com auxilio de água pode ajudar muito! A natureza nos fornece muita saúde, procure ingeri-los da maneira mais natural possível e adapta-las da melhor forma na alimentação do seu filho.

O post de hoje é para ajudar você como agir diante das doenças respiratórias das crianças, mas isso não quer dizer que exista uma fórmula mágica. Cada criança tem um corpo que reage de forma diferente, por isso é tão importante ter acompanhamento de um médico!

Nesta época do ano é importante manter ainda mais os cuidados quanto ao COVID-19, que pode ser facilmente confundido com um resfriado, veja os cuidados com a doença na escola neste post.


Fontes: Laboratório do Valle, Clinifan, Leiturinha, GZH, Guia do Bebê, AMG e Gazeta.
Compartilhar

Você também pode gostar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.